ESAEducationHomeMeteorologia e ClimaMudança GlobalDesastres Naturais
   
Sobre o Eduspace
O que é o Eduspace?Que ferramentas oferece?
Escolha o seu idioma
Princípios de Detecção Remota
O que é a detecção remota?Detecção remota em profundidadeHistória da observação da TerraCartografia e dados de satéliteÓrbitas dos satélitesSatélites de Observação da Terra
Recursos
Multimédia
Earth images galleryGaleria de ImagensGaleria de Vídeo
Serviços
Contact usPesquisa em Eduspace
 
 
 
 
 
printer friendly page
Synthetic Aperture Radar (SAR)
Radar de Abertura Sintética (Synthetic Aperture Radar ou SAR)
ERS
 
Os satélites ERS-1 e ERS-2 foram construídos pela indústria europeia sob a direcção da Agência Espacial Europeia (ESA).

Os satélites foram lançados em 1991 e 1995, respectivamente. Estão equipados com um sistema de microondas activo que permite obter dados através de nuvens espessas e durante a noite. Um dos instrumentos, o difusiómetro, mede a direcção e velocidade do vento sobre os oceanos; outro sensor, o altímetro, mede a altura das ondas. No entanto, o sensor mais conhecido é talvez o radar de abertura sintética (Synthetic Aperture Radar ou SAR), que capta imagens da superfície e cujos dados podem ser utilizados na cartografia. No entanto, a interpretação de uma imagem SAR é muito diferente da obtida por um sensor óptico ou de infravermelhos. As imagens SAR não mostram cores mas fornecem informações ligadas à irregularidade da superfície.

Para um sensor SAR, uma superfície do mar com ondas médias ou altas provocadas pelo vento é um exemplo de superfície irregular, enquanto que o mar calmo ou com pequenas ondas representa uma superfície lisa. Em terra, uma floresta é uma superfície irregular e aparecerá numa cor clara, enquanto que um relvado ou uma auto-estrada aparecerão numa cor escura, já que representam superfícies relativamente lisas para o radar.  
 
Gaeta Bay on the west coast of Italy
Baía de Gaeta na costa ocidental de Itália
A cartografia e a monitorização do avanço/recuo do gelo marinho nas águas do Árctico tornaram-se possíveis graças ao sensor de radar, que funciona quaisquer que sejam as condições meteorológicas. Isto é importante para o estudo da climatologia global, já que as alterações na área do gelo marinho reflectem as alterações de temperatura e das correntes marítimas. Outra questão ecológica importante é a monitorização da desflorestação das florestas tropicais. Os sensores de radar conseguem detectar clareiras nas florestas apesar da nublosidade dos trópicos.

Um scanner ATSR (Along-Track Scanning Radiometer) foi instalado a bordo do ERS2. É um scanner passivo tradicional, com 7 canais nas gamas visível, de infravermelhos próximos e infravermelhos térmicos. O canal de infravermelhos térmicos é especialmente útil para a cartografia da temperatura de superfície dos mares. Os canais visível e de infravermelhos próximos podem ser utilizados para a cartografia global da vegetação, com uma resolução espacial de 1 km.

O ERS2 está também equipado para a cartografia global da camada de ozono. Os dados do ERS2 podem desempenhar um papel importante na compreensão científica das variações da camada de ozono e na avaliação do papel desempenhado pela poluição humana.
 
 

 


Satélites de Observação da Terra
IntroduçãoLandsatRESURSEnvisatSPOT
Satélites meteorológicos
MeteosatMeteosat de segunda geraçãoMetOpNOAA
Satélites Earth Explorer
Exploradores da Terra da ESAGOCESMOSCryoSat-2
Commercial high resolution optical satellites
IKONOSQuickBirdWorldView
Mais informação
ERS-1 e 2Site técnico ERSTecnologia radarEspecificações técnicas - ERS 1 e 2
 
 
 
   Copyright 2000 - 2014 © European Space Agency. All rights reserved.