ESAEducationHomeTerra vista do espaçoTemas ambientaisEnvisat para escolas
   
Sobre o Eduspace
O que é o Eduspace?Que ferramentas oferece?
Escolha o seu idioma
Princípios de Detecção Remota
O que é a detecção remota?Detecção remota em profundidadeHistória da observação da TerraCartografia e dados de satéliteÓrbitas dos satélitesSatélites de Observação da Terra
Recursos
Multimédia
Earth images galleryGaleria de ImagensGaleria de Vídeo
Serviços
Contact usPesquisa em Eduspace
 
 
 
Bookmark and Share
 
 
 
 
 
printer friendly page
Furacão Katrina
 
The track of Hurricane Katrina
O rasto do furacão Katrina
 
A 25 de Agosto de 2005, o furacão Katrina atingiu o sudeste densamente povoado do estado da Florida, com rajadas de vento de 130 km/h a uma velocidade máxima, causando danos extensos. As cheias fatais foram provocadas pela precipitação.
 
O furacão deslocou-se depois ao longo do Golfo do México, onde ganhou energia, alimentado pela água quente, e atingiu a categoria 5 na escala de furacões Saffir-Simpson. A 29 de Agosto, o Katrina atingiu a costa sul dos EUA onde devastou as infra-estruturas de uma orla costeira com cerca de 160 quilómetros. Quando chegou a Nova Orleães, a intensidade do Katrina baixou para a categoria 3. Em terra, o furacão rapidamente perdeu energia e parou a 31 de Agosto no seu percurso para nordeste. Consequentemente, Nova Orleães foi atingida por uma forte onda de tempestade.  
 
Como é que aconteceu?

A 25 de Agosto, um redemoinho de baixa pressão sobre as Bahamas, no Oceano Atlântico, transformou-se no furacão Katrina. Tal como em todas as áreas de baixa pressão do hemisfério norte, a corrente de ar circulava no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio.
 
 

Graphical model showing hurricane
Modelo gráfico apresentando uma secção transversal vertical da circulação do ar, nuvens e precipitação associadas ao furacão
 
Para que os furacões tropicais se formem, a temperatura da superfície do mar tem de ser, no mínimo, de 27 graus Celsius. A água evapora-se como consequência da radiação solar, sobe em forma de ar húmido e forma as nuvens à medida que o vapor de água se condensa e liberta energia.
 
 
ASAR Wide Swath Mode image of Hurricane Katrina's eye
Olho do furacão Katrina
Devido à força de Coriolis, forma-se um turbilhão que arrasta o ar para cima em espiral. Este circula em torno do "olho" do furacão, onde praticamente não existe vento devido à pressão de ar extremamente baixa na superfície do mar. O ar húmido marítimo flui na direcção do "olho" e, aí, sobe cada vez mais. Arrasta ar mais frio que, de seguida, é aquecido. Desta forma, é gerado um sistema estável que pode produzir velocidades de vento extremamente elevadas.

A estação oficial dos furacões decorre entre Junho e Novembro. Os furacões podem representar grandes ameaças para a população, assim como para as infra-estruturas. Isto deve-se a intensas precipitações e inundações, assim como a elevadas velocidades do vento.

Este estudo de caso concentrar-se-á na utilização da detecção remota para a monitorização de furacões e dos danos que causam, através de imagens ópticas e de radar obtidas pelos satélites europeus.
 
 

 


Ondas de tempestade
Introdução
Furacão Katrina
Exercícios
Exercício 1: Furacão Katrina em espiral dos topos das nuvens às ondas do oceanoExercício 2: Visualização e análise das áreas inundadas em Nova Orleães pelo furacão Katrina
Links Relacionados
Hurricane Katrina - NOAAHurricane Katrina - WikipediaNational Hurricane Center - NOAAStorm surge overview - NOAAGlobal Monitoring for Environment and Security - ESAInternational Charter Space and Major DisastersTropical weather and hurricanes - Physicalgeography
Artigo Relacionado
Envisat sees whirling Hurricane Katrina from ocean waves to cloud tops
 
 
 
   Copyright 2000 - 2013 © European Space Agency. All rights reserved.