ESA title
Perspective view of Korolev crater
Agency

As missões planetárias da Europa voltam à ciência

02/04/2020 53 views 1 likes
ESA / Space in Member States / Portugal

Após uma breve paralisação dos instrumentos científicos e um período de “espera segura”, as missões planetárias da ESA estão a voltar ao que fazem de melhor, reunir dados científicos de todo o Sistema Solar.

Conversámos com Paolo Ferri, Chefe de Operações das Missões no Centro de Controlo de Missões da ESA na Alemanha, e Markus Kissler-Patig, Chefe de Ciência e Operações do Centro de Astronomia da Agência na Espanha, sobre os momentos extraordinários e desafiadores que as equipas enfrentam em campo.

Ouça o Podcast aqui

 

 

Também pode encontrar um resumo do que foi discutido abaixo, desde o retorno à ciência para quatro missões principais até como é tomar decisões importantes sobre a segurança da sua força de trabalho e a frota de exploradores espaciais da Europa, à luz de uma pandemia global.

Tempos sem precedentes exigem medidas sem precedentes

No Centro Europeu de Operações Espaciais (ESOC) da ESA, em Darmstadt, Alemanha, as missões continuavam em operações rotineiras, mesmo com a grande maioria dos funcionários e contratados a trabalhar a partir de casa.

ESA Main Control Room, Darmstadt
ESA Main Control Room, Darmstadt

No entanto, uma vez que um caso de COVID-19 alcançou um membro da força de trabalho do controlo de missões, foram tomadas medidas rápidas para evitar a propagação adicional da infeção.

“Esta pessoa está agradecida e está a recuperar bem,” diz Paolo Ferri, Chefe de Operações das Missões no Centro de Operações da ESA em Darmstadt, Alemanha.

“No entanto, nos dois dias de trabalho antes de ser diagnosticado, entrou em contato com cerca de vinte colegas no local.”

Solar Orbiter resumes instrument health checks
Solar Orbiter resumes instrument health checks

Para evitar a disseminação da infeção, todos esses indivíduos foram colocados em quarentena e edifícios inteiros foram cuidadosamente limpos e desinfetados.

Muitas dessas pessoas estavam a trabalhar nas missões planetárias Solar Orbiter, Mars Express e Mars Trace Gas Orbiter e nas quatro naves espaciais que compõem a missão Cluster.

Como tal, as operações foram reduzidas nessas missões enquanto os membros da equipa ficaram em casa.

“Decidimos suspender preventivamente as operações nessas missões até o risco de uma potencial cascata de infeções e quarentenas subsequentes desaparecerem,” acrescenta Paolo.

Retornos da ciência

A vantagem das missões interplanetárias é que estas são projetadas para permanecer numa configuração segura por longos períodos. Às vezes, no Sistema Solar, ficam atrás do Sol, como vistas a partir da Terra. Nessas duas ou três semanas, as equipas estão acostumadas a perder o contato com a aeronave.

Mars Express
Mars Express

Cada uma das quatro missões afetadas foi colocada em modo de espera - em órbitas seguras, mas com seus instrumentos científicos desligados.

“O coração dói cada vez que precisamos desligar a ciência - mas este não é um caso excecional. Às vezes, um desses satélites tem problemas e pode entrar em modo de segurança, e demora pelo menos uma semana para o início das operações científicas,” diz Paolo.

“Desta vez, parar a ciência por questões relacionadas à saúde das pessoas no campo é uma situação única, mas sentimo-nos ainda mais na obrigação de o fazer do que quando é feito para salvar uma máquina.”

Paolo Ferri talking to media, as mission control first hears back from Rosetta
Paolo Ferri talking to media, as mission control first hears back from Rosetta

Felizmente, o caso inicial permaneceu o único, pois as pessoas em quarentena não apresentaram nenhum sintoma.

“Quando encerramos a ciência, estabelecemos critérios muito claros para decidir quando recomeçaria e, a partir deste fim de semana, começamos a trazer gradualmente as missões de volta ao seu estado normal,” acrescenta Paolo.

Markus Kissler-Patig, Head of Science and Operations in Madrid, Spain
Markus Kissler-Patig, Head of Science and Operations in Madrid, Spain

Markus Kissler-Patig, Chefe de Operações Científicas do Centro Europeu de Astronomia Espacial de Madrid, Espanha, acrescenta:

“Para as sondas de Marte, é claro que o nosso coração sangra cada vez que não somos capazes de fazer ciência com elas… Somos realmente responsáveis pela produção científica de todas essas naves fantásticas, e é isso que realmente queremos maximizar - a ciência para investigadores, mas também para a humanidade.”

“Mas isto era sobre a saúde do nosso pessoal e, para nós, isso é óbvio. Estas decisões são simples de tomar, porque sabemos que é a coisa certa a fazer.”

Uma situação estável no controlo das missões

BepiColombo Earth flyby
BepiColombo Earth flyby

Por causa das medidas preventivas tomadas cedo para limitar a oportunidade de propagação da infeção, a situação no ESOC agora é estável.

Os poucos indivíduos que periodicamente entram no local trabalham, predominantemente, de forma isolada e geralmente nem se encontram. Se precisarem ficar na mesma sala, seguem regras e proteções sociais muito rígidas de distanciamento.

Durante o crítico e impossível de atrasar sobrevoo da BepiColombo no dia 10 de abril, essas medidas também serão aplicadas, garantindo que os membros da equipa possam conduzir a sonda através deste momento marcante, protegendo a sua própria saúde e segurança.

Related Articles

Related Links