Agency

Hubble Avista Uma Ostra Cósmica E Sua Pérola Em NGC 1501

08/09/2016 371 views 3 likes
ESA / Space in Member States / Portugal

O mundo é a tua ostra, como diz a expressão – e o Telescópio Hubble da NASA/ESA, com os seus instrumentos avançados e localização favorável em órbita acima da atmosfera da Terra, tem muito mais do universo para explorar do que a maioria.

Esta imagem foi capturada usando a Camara Planetária 2 de Campo Aberto do Hubble, a camara responsável por muitas das imagens mais belas do telescópio. Mostra a nebulosa adequadamente apelidada de Ostra (mais formalmente conhecida como NGC 1501), uma nuvem incandescente a cerca de 5000 anos-luz de distância da Terra, na constelação de Camelopardalis.

A Nebulosa Ostra é um tipo de objeto cósmico que é essencialmente uma gigantesca nuvem de poeira e gases eletricamente carregada. As Nebulosas são muitas vezes feitas para brilhar, como se pode ver aqui, através da radiação de uma estrela próxima. No caso da Nebulosa Ostra, essa estrela, que pode ser vista como um ponto amarelo-laranja no centro da nuvem turquesa, assemelha-se a uma pérola preciosa da ostra.

Esta é uma nebulosa planetária, o que significa que foi criada quando a sua estrela progenitora - a “pérola” – lançou as suas camadas exteriores de gás para o espaço. Esta estrela é tão notável como a bela estrutura que a rodeia. É uma estrela pulsante, o que significa que o seu brilho varia regularmente e periodicamente. No caso da estrela progenitora da NGC 1501, este é incrivelmente rápido, com o brilho da estrela a mudar significativamente em apenas meia hora.

A complexidade da estrutura interna da Nebulosa de Ostra é claramente evidente nesta imagem detalhada, aparecendo quase alada ou espumante. Os astrónomos têm modelado este objeto em 3D e descobriram uma nuvem de forma irregular cheio de estruturas irregulares e acidentadas, como nós e bolhas de gás e aglomerados de poeira, tudo tricotado em conjunto.

Estas observações de luz visível captam o brilho de gases, incluindo hidrogénio e azoto. As cores brilhantes aqui mostradas são arbitrárias. Uma versão desta imagem foi submetida na competição de processamento de imagem dos Tesouros Escondidos do Hubble 2012 pelo concorrente Marc Canale.

Related Links