ESA title
Implementação da lança do Solar Orbiter e primeiras medições do campo magnético
Agency

Primeiro instrumento do Solar Orbiter envia medições

19/02/2020 60 views 3 likes
ESA / Space in Member States / Portugal

As primeiras medições de um instrumento científico do Solar Orbiter chegaram ao solo na passada quinta-feira, 13 de fevereiro, confirmando às equipas científicas internacionais que o magnetómetro a bordo está de boa saúde, após um desdobramento bem-sucedido da lança de instrumentos da aeronave.

Solar Orbiter, a nova aeronave de exploração solar da ESA, foi , llançada na segunda-feira, 10 de fevereiro. Leva a bordo dez instrumentos científicos, quatro dos quais medem as propriedades do ambiente ao redor da aeronave, especialmente as características eletromagnéticas do vento solar, o fluxo de partículas carregadas que fluem do Sol. Três desses instrumentos ‘in situ’ possuem sensores localizados na lança de 4,4 m de comprimento.

“Medimos campos magnéticos milhares de vezes menores do que aqueles com os quais estamos familiarizados na Terra,” diz Tim Horbury, do Imperial College London, investigador principal do magnetómetro (MAG). “Mesmo as correntes nos fios elétricos tornam os campos magnéticos muito maiores do que o que precisamos medir. É por isso que os nossos sensores estão na lança, para mantê-los longe de toda a atividade elétrica dentro da aeronave.”

Observação do campo magnético à medida que a lança é implementada

Solar Orbiter boom deployment and first magnetic field measurements
Solar Orbiter boom deployment and first magnetic field measurements

Os controladores de solo do Centro Europeu de Operações Espaciais, em Darmstadt, Alemanha, ligaram os dois sensores do magnetómetro (um próximo ao final da lança e o outro próximo à aeronave) cerca de 21 horas após a decolagem. O instrumento registou dados antes, durante e após a implementação da lança, permitindo que os cientistas entendam a influência da aeronave nas medições no ambiente espacial.

“Os dados que recebemos mostram como o campo magnético diminui da vizinhança da aeronave para onde os instrumentos são realmente implementados,” acrescenta Tim. “Esta é uma confirmação independente de que a lança foi realmente desdobrada e que os instrumentos fornecerão, de facto, medidas científicas precisas no futuro.”

À medida que a lança de titânio/fibra de carbono se estendia durante um período de cerca de 30 minutos na quarta-feira, quase três dias após a decolagem, os cientistas puderam observar o nível do campo magnético diminuir em cerca de uma ordem de magnitude. Enquanto no começo viram principalmente o campo magnético da aeronave, no final do procedimento, tiveram a primeira visão do campo magnético significativamente mais fraco no ambiente circundante.

O Solar Orbiter carrega dez instrumentos, alguns dos quais consistem em vários pacotes de instrumentos. Três dos quatro instrumentos ‘in situ’ do satélite, que medem o ambiente nas proximidades da aeronave, estão localizados na lança de 4,4 m do Solar Orbiter
O Solar Orbiter carrega dez instrumentos, alguns dos quais consistem em vários pacotes de instrumentos. Três dos quatro instrumentos ‘in situ’ do satélite, que medem o ambiente nas proximidades da aeronave, estão localizados na lança de 4,4 m do Solar Orbiter

“Medir antes, durante e após a implementação da lança ajuda-nos a identificar e caracterizar sinais que não estão ligados ao vento solar, como perturbações vindas da plataforma da aeronave e outros instrumentos,” diz Matthieu Kretzschmar, do Laboratoire de Physique et Chimie de l'Environnement et de l'Espace em Orleans, França, co-investigador principal por trás de outro sensor localizado na lança, o magnetómetro de alta frequência do Instrumento de Ondas de Rádio e Plasma (RPW).

“O satélite passou por extensos testes no solo para medir as suas propriedades magnéticas numa instalação especial de simulação, mas não conseguimos testar completamente esse aspeto até agora, no espaço, porque o equipamento de teste, geralmente, impede-nos de atingir o nível muito baixo de flutuações do campo magnético necessário, acrescenta.

Em seguida, os instrumentos deverão ser calibrados antes que a verdadeira ciência possa começar.

Aquecimento para a ciência

Play
$video.data_map.short_description.content
A viagem do Solar Orbiter para o Sol à medida que se prepara para iniciar a sua missão inovadora.
Access the video

“Até ao final de abril ativaremos, gradualmente, os instrumentos no local e verificaremos se estão a funcionar corretamente,” diz Yannis Zouganelis, cientista adjunto de projetos da ESA para a missão Solar Orbiter. “No final de abril, teremos uma ideia melhor do desempenho dos instrumentos e esperamos começar a coletar os primeiros dados científicos em meados de maio.”

Além da lança de instrumentos, as implementações de três antenas do instrumento RPW, que estudarão as características das ondas eletromagnéticas e eletrostáticas no vento solar, foram concluídas com sucesso nas primeiras horas da quinta-feira, 13 de fevereiro. Os dados dessas implementações específicas precisam ainda ser analisados.

Além dos quatro instrumentos in situ, o Solar Orbiter carrega seis instrumentos de sensoriamento remoto, essencialmente telescópios, que captarão imagens da superfície do Sol em vários comprimentos de onda, obtendo as imagens mais próximas da estrela-mãe.

“Os instrumentos de sensoriamento remoto serão comissionados nos próximos meses e esperamos testá-los ainda em junho, quando o Solar Orbiter se aproximar do Sol,” acrescenta Yannis.

Desvendar os mistérios do Sol

A combinação dos dois conjuntos de instrumentos permitirá aos cientistas vincular o que acontece no Sol aos fenómenos medidos no vento solar, permitindo que desvendam mistérios como o ciclo de 11 anos de atividade solar, a formação do campo magnético do Sol e como as partículas do vento solar são aceleradas para altas energias.                                                                      

“Os dez instrumentos a bordo da nossa missão tocarão juntos como instrumentos de uma orquestra,” diz o cientista do projeto ESA Solar Orbiter Daniel Müller. “Acabamos de iniciar o ensaio e, um a um, instrumentos adicionais juntar-se-ão. Quando terminarmos, dentro de alguns meses, ouviremos a sinfonia do Sol.” 

Notas para editores

O Solar Orbiter é uma missão liderada pela ESA com forte participação da NASA. O contratante principal é a Airbus Defense and Space em Stevenage, Reino Unido. O Solar Orbiter é a primeira missão de classe média implementada no programa Visao Cósmica 2015-25, o atual ciclo de planeamento das missões espaciais científicas da ESA.

 

Para mais informações entre em contato com:

Daniel Müller
Cientista do Projeto Orbiter Solar da ESA
Email: daniel.mueller@esa.int

Yannis Zouganelis
Cientista adjunto do Projeto Orbiter Solar da ESA
Email: yannis.zouganelis@esa.int

ESA Media Relations
Email: media@esa.int