A ESA selecciona três missões científicas para estudos futuros

O programa Visão Cósmica da ESA continuará
23 Fevereiro 2010

Energia negra, planetas habitáveis que giram à volta de outras estrelas e a natureza misteriosa do nosso Sol foram escolhidos pela ESA como os candidatos para duas missões de média classe, a serem lançadas depois de 2017.

Na Quinta-feira, 18 de Fevereiro, o Comité para o Programa Científico da ESA (SPC) aprovou três missões que passaram à chamada fase de definição. Este é o passo anterior à decisão final, que definirá quais as missões a serem implementadas. As três propostas pré-seleccionadas são Euclid, PLAnetary Transits and Oscillations of stars (PLATO) e o Solar Orbiter.

Unusual Spiral NGC 4921 in the Coma Galaxy Cluster
O Euclid mapeará a distribuição de galáxias

O Euclid tentará responder a questões chave para a física fundamental e a cosmologia, nomeadamente a natureza da misteriosa energia e matéria negra. Os astrónomos estão agora convencidos de que estas substâncias dominam. Ao Euclid caberá mapear a distribuição das galáxias de forma a revelar a arquitectura «negra» do Universo.

A missão PLATO irá debruçar-se sobre uma antiga questão da ciência, nomeadamente a existência de planetas à volta de outras estrelas. Isto inclui planetas terrestres numa zona habitável, os chamados análogos da Terra. Além disso, o PLATO também estudará o interior das estrelas, detectando as ondas gasosas que saem das suas superfícies.

Planet transit in front of a star
O PLATO irá procurar planetas habitáveis

O Solar Orbiter chegará o mais próximo do Sol que é possível nesta altura, ficando a apenas 62 raios solares. Fornecerá imagens e dados das regiões polares do Sol e do lado solar mais distante, invisível da Terra.

Estas três missões são as finalistas das 52 propostas avançadas em 2007. Em 2008 restavam apenas seis propostas, que foram enviadas para avaliação industrial. Com estes resultados, nova selecção. «Foi um processo muito difícil. Todas as missões continham temas científicos muito importantes,» diz Lennart Nordh, do Comité Espacial Sueco e president da SPC.

SOHO's image of the Sun
O Solar Orbiter irá espreitar o Sol de perto

E as decisões difíceis ainda não terminaram. Apenas duas missões, das três serão seleccionadas para os lançamentos de classe-M. As três missões apresentam desafios que terão de ser resolvidos na fase de definição. Um desafio específico, presente para a SPC, é a possibilidade de estas missões encaixarem no orçamento disponível. A decisão final acerca de quais as missões a implementar será tomada em meados de 2011.

A SPC decidiu considerer no seu próximo encontro em Junho se deverá seleccionar uma contribuição europeia para a missão SPICA.

Estas missões perpetuam o compromisso europeu na ciência espacial

O SPICA será um telescópio especial de infra-vermelhos conduzido pela Agência Espacial Japonesa, JAXA. Poderá fornecer os dados que faltam na gama do infra-vermelho, numa região do espectro entre a observada pela telescópio Webb da ESA-NASA e a observada pelo telescópio terrestre ALMA. O SPICA estará focado nas condições para a formação de planetas e de galáxias novas distantes.

«Estas missões perpetuam o compromisso europeu na ciência espacial», diz David Southwood, Director de Ciência e Exploração Robótica da ESA. «Demonstram que o programa da Visão Cósmica da ESA está claramente focado nas mais importantes questões da ciência espacial.»

Copyright 2000 - 2014 © European Space Agency. All rights reserved.