A ouvir o passado e a falar para o futuro

Trabalho de equipa dos aquanautas da missão Neemo
19 Julho 2012

O astronauta da ESA Tim Peake passou recentemente 12 dias debaixo de água com três outros aquanautas para tentar descobrir como é que os astronautas poderão explorar os asteroides. Nos bastidores, uma grande equipa de apoio esteve a aprender através da observação desta experiência.

A equipa não mediu esforços para tornar a experiência o mais realista possível. Esta missão Neemo simulou a visita a um asteroide a 15 milhões de quilómetros da Terra, quase 39 vezes mais longe do que a Lua.

A esta distância, uma mensagem da Terra leva cerca de 50 segundos a chegar à tripulação.

Mesmo que um astronauta responda imediatamente a uma mensagem do posto de controlo terrestre, os operadores na Terra ainda terão que esperar pelo menos um minuto e 40 segundos para ouvir a resposta. Quaisquer assuntos urgentes ou interrupções são impossíveis.

Hervé Stevenin da ESA na sala de controlo Aquarius

Neemo foi a primeira operação complexa na qual astronautas e equipa de controlo consideraram os atrasos temporais nas comunicações e por isso tiveram de aprender como é que estes intervalos temporais afetam as comunicações.

Hervé Stévenin, da ESA, tem anos de experiência a comunicar para a tripulação da Estação Espacial Internacional e foi convidado para a missão Neemo: “Na Estação, quando falamos com os astronautas a resposta é instantânea.

“Na Neemo, tivemos que repensar completamente as comunicações - estávamos a ouvir o passado e a falar ao futuro, tudo ao mesmo tempo.”

Conversas através do tempo debaixo de água

Os controladores da missão rapidamente encontraram formas de trabalhar com o atraso das comunicações. Primeiro, usaram cronómetros para os ajudar a perceber em que momento deveriam esperar receber uma resposta dos astronautas subaquáticos.

A seguir tornou-se óbvio que algumas mensagens de voz deveriam ser anunciadas. Hervé explica: “Enviámos mensagens importantes anunciando o destinatário e o assunto da mensagem.

A base Neemo

“Por exemplo, 'Aquarius, MCC [Centro de Controle da Missão], Espaço para Terra Um, mensagem para Tim em 10 segundos.”

A pausa dava tempo aos aquanautas para pararem o que estavam a fazer e prestarem atenção. Isto evitou mensagens de repetição que poderiam atrasar o trabalho durante três minutos ou mais.

Finalmente, um novo sistema de comunicação foi testado. Muitas mensagens não urgentes foram enviadas através de um programa de chat, o que permitiu várias conversas ao mesmo tempo, semelhantes aos programas de chat da Internet. Os astronautas podiam ler mensagens e responder no seu próprio tempo.

Chat de texto: o melhor para missões em asteroides

Hervé acrescenta: “Nós descobrimos que o chat de texto é o sistema de comunicação mais adequado para as missões em asteroides, completado com mensagens de voz para manter o lado humano.

“Se uma mensagem de voz for complexa, enviar também a mesma mensagem por texto ajuda muito.”

Se uma mensagem de voz for complexa, enviar também a mesma mensagem por texto ajuda muito.

Esta missão Neemo foi uma das simulações subaquáticas mais complexas alguma vez realizadas. Mais de 80 engenheiros, mergulhadores e outros técnicos trabalharam 14 horas por dia para apoiar os aquanautas da unidade móvel de controlo da NASA.

Além das tarefas de comunicação, Hervé tem também apoiado a missão Neemo como mergulhador: “Ser um mergulhador Neemo ajuda a perceber os constrangimentos e os desafios do meio ambiente em que os aquanautas trabalham.”

Copyright 2000 - 2014 © European Space Agency. All rights reserved.