Cassini descobre pistas em Enceladus, lua de Saturno

Zooming in on Enceladus
25 Junho 2009

Os cientistas europeus da missão conjunta Cassini (NASA/ESA) detectaram, pela primeira vez, sais de sódio em grãos de gelo do anel E de Saturno, que é principalmente formado por materiais das colunas de vapor de água e grãos de gelo emitidos pela lua de Saturno Enceladus. A detecção de gelo salgado indica que a pequena lua alberga um depósito de água em estado líquido, talvez mesmo um oceano, por baixo da sua superfície.

A Cassini descobriu as colunas de água-gelo na Enceladus em 2005. Estas colunas, emitidas a partir de fracturas junto ao seu pólo sul, expelem pequenos grãos de gelo e vapor, alguns dos quais escapam à gravidade da lua, preenchendo o anel exterior de Saturno, o anel E.

O Analisador de Poeira Cósmica da Cassini, dirigido pelo investigador principal Ralf Srama, do Instituto Max Planck de Física Nuclear em Heidelberg, Alemanha, examinou a composição destes grãos e descobriu sal de sódio (ou sal de cozinha) no seu interior.

“Acreditamos que o material salgado no interior profundo da Enceladus desapareceu da rocha no fundo de uma camada líquida,” afirmou Frank Postberg, cientista da Cassini no Analisador de Poeira Cósmica no Instituto Max Planck de Física Nuclear em Heidelberg, Alemanha. Postberg é o autor principal de um estudo publicado na edição de 25 de Junho da revista Nature.

Enceladus
Enceladus' craters and complex, fractured terrains

Os cientistas que trabalham no Analisador de Poeira Cósmica concluíram que a água em estado líquido deve estar presente, pois é a única forma de dissolver quantidades significativas de minerais que justificariam os níveis de sal detectados. O processo de sublimação — o mecanismo pelo qual o vapor é libertado directamente do gelo sólido para a crosta — não pode justificar a presença de sal.

A constituição dos grãos do anel E, determinada através de análises químicas de milhares de impactos de partículas a alta velocidade registados pela Cassini, fornece informações indirectas acerca da composição das colunas e do que está no interior da Enceladus. As partículas do anel E são praticamente água-gelo puro, mas em quase todas as análises de composição da poeira efectuadas, descobriu pelo menos algum teor de sódio no interior das partículas.

“As nossas medições revelam que, para além do sal de cozinha, os grãos contêm também carbonatos, como a soda; ambos os componentes em concentrações que coincidem com a composição prevista de um oceano da Enceladus,” afirmou Postberg. “Os carbonatos proporcionam também um valor de PH ligeiramente alcalino. Se a fonte de líquido for um oceano, então isso, conjugado com o calor medido à superfície junto ao pólo Sul da lua e os compostos orgânicos descobertos no interior das colunas, poderia proporcionar um ambiente ideal na Enceladus à formação de precursores de vida.”

Determinar a natureza e origem das colunas é a prioridade principal da Cassini durante a sua viagem prolongada, chamada Missão Equinócio da Cassini.

Consulte a versão completa deste artigo no site da missão Cassini-Huygens.

Copyright 2000 - 2014 © European Space Agency. All rights reserved.