Ciência a partir de órbita

23 Dezembro 2003

A Mars Express transporta um dos mais entusiasmantes conjuntos de instrumentos na história da exploração marciana. Desfrutando do fluxo de dados previsto da nave espacial, os cientistas poderão descobrir a composição da superfície, os fenómenos atmosféricos actuais e poderão construir uma imagem de como o planeta se alterou durante os 4 biliões de anos da sua história.

Desta forma, eles podem responder a uma das questões astronómicas mais complexas que ainda hoje suscita grande perplexidade: Marte terá alguma vez sido como a Terra?

As investigações geológicas efectuadas com naves espaciais anteriores revelaram uma ampla evidência de que a água fluía, antigamente, na superfície marciana, mas em que forma, é ainda objecto de intenso debate.. Alguns acreditam que se limitava a uma corrente rápida ao longo de uma superfície gelada de Marte; outros pensam que Marte já foi suficientemente quente para manter rios e lagos. Alguns acreditam que Marte já possuiu um oceano.

A Câmara Estéreo de Alta Resolução (HRSC) é o melhor instrumento enviado até agora para Marte, tendo em vista a procura de características geológicas que denunciem a presença de água. Ela também manterá um olho electrónico na procura de linhas de costa antigas.

O OMEGA irá mapear, com precisão, a composição da superfície de Marte e o MARSIS efectuará a primeira investigação do subsolo de Marte, utilizando o radar para penetrar até três ou quatro quilómetros abaixo da superfície. Ele poderá mesmo revelar lagos subterrâneos de gelo ou água.

Actualmente não existe, certamente, água na superfície de Marte. Então, porquê e como é que se alterou Marte? Essas alterações foram repentinas ou graduais? É aí que os instrumentos atmosféricos entram.

A atmosfera constitui a zona intermédia entre Marte e o espaço exterior, e a interface através da qual a maior parte da suposta água de Marte foi provavelmente perdida.

O Espectrómetro de Fourier Planetário (PFS) medirá a composição global e o movimento da atmosfera; O SPICAM procurará vestígios de água e de ozono na atmosfera e o ASPERA estudará o modo com a atmosfera interage com o vento de partículas libertadas pelo Sol.

Finalmente, uma experiência fornece "dados grátis"! Através da análise dos sinais de efeitos subtis e distorcidos reenviados a partir de Marte, a Experiência Científica de Rádio de Marte (MaRS) comunicará as informações sobre o interior de Marte e as condições metereológicas no Espaço, entre outras coisas. Em conjunto, todos estes instrumentos desenharão uma imagem de Marte e do seu comportamento, que revelará o planeta como nunca antes visto.

Copyright 2000 - 2014 © European Space Agency. All rights reserved.