CryoSat-2 excede as expectativas

Uma nova visão da espessura dos gelos

5 Julho 2010

No dia um de Julho, a maior parte dos participantes no Simpósio Living Planet recebeu informação acerca da última missão lançada pela ESA, o CryoSat-2. Em órbita há cerca de três meses, o satélite está em excelentes condições e os cientistas estão muito entusiasmados com os primeiros dados relativos à espessura dos gelos, apresentados agora no simpósio.

Duncan Wingham, investigador principal da missão CryoSat, declarou: «O satélite está em excelente forma – cumprindo as especificações relativas à órbita, o software de terra está bem, o sistema de distribuição de dados também e estamos muito entusiasmados com a qualidade dos dados que estamos a receber.»

«É muito compensador ver os frutos de uma missão de gelo que desenhamos há dez, começando por ser um projecto teórico.»

Duncan Wingham
Duncan Wingham no simpósio

O CryoSat-2 foi lançado em Abril último, daí que o satélite e os instrumentos ainda estejam em fase de activação, um processo que continuará até ao Outono. No entanto, os cientistas e os utilizadores do serviço estão muito entusiasmados com os primeiros dados, que já evidenciam o rigor nos pormenores, relativos à superfície do gelo.

Estes dados também demonstram a cobertura adicional oferecida pelo CryoSat-2. O satélite orbita mais próximo dos pólos do que os anteriores satélites, cobrindo uma superfície adicional de 4,6 milhões de quilómetros quadrados – uma área maior do que os 27 Estados Membros juntos.

O CryoSat é a primeira missão europeia dedicada à monitorização das superfícies geladas terrestres. O satélite transporta o primeiro altímetro radar do género para ultrapassar as dificuldades das superfícies geladas.

A sua carga principal, o sofisticado SAR/Altímetro de Radar Interferométrico, pode medir a espessura dos gelos marinhos com uma precisão de centímetros e monitorizar as alterações nos lençóis de gelo em terra, em particular nos limites onde os icebergs se libertam dos vastos lençóis de gelo que cobrem a Gronelândia e a Antártida.

CryoSat-2 track across Antarctica
O CryoSat-2 passa por regiões nunca antes mapeadas da Antártida

Estas medidas, juntamente com a informação acerca da extensão dos gelos, irão mostrar de que forma é que o volume de gelo na Terra está a mudar, levando a um melhor conhecimento da relação entre o gelo e as alterações climáticas.

«Tivemos alguns precalços com o processador de dados científicos – afinal, nunca tinha sido enviado para o espaço um radar como este. Mas conseguimos resolver a maior parte dos problemas e os resultados têm óptimo ar,» disse o Director de Projecto do CryoSat-2, Richard Francis.

«Em particular a resolução deste sistema é espantosa. Podemos ver inúmeros pormenores nesta passagem parcial pela Antártida, feita no dia em que o instrumento principal foi ligado. »

ESA's ice mission
A missão de gelo da ESA

Também foi anunciado a um de Julho que os dados orbitais do receptor de rádio DORIS serão disponibilizados no início deste mês.

O DORIS é um sistema de rastreamento que o CryoSat-2 transporta para detectar e medir o desvio por efeito de Doppler em sinais transmitidos por um conjunto de emissores de rádio em todo o mundo. Estes sinais são usados para a determinação da órbita, com uma precisão de milímetros, e essenciais para a medição precisa da altura dos gelos.

Uma vez que os dados do DORIS foram validados como sendo de excelente qualidade, estão agora a ser libertados para a comunidade antes do fim desta fase.

A meio caminho do seu processo de instalação, o CryoSat-2 está claramente nos eixos para oferecer dados precisos acerca da alteração na espessura dos gelos, dados muito necessários para a construção de uma imagem melhor do que se passa nos gelos terrestres, como resultado das alterações climáticas.

Copyright 2000 - 2014 © European Space Agency. All rights reserved.