Gigantes travam batalha no frio

O iceberg C-19 desprende-se do Banco de Gelo Ross
23 Outubro 2002

Um novo gigante nasceu recentemente nas águas costeiras da Antártica. Uma série de imagens capturadas desde Maio até meio deste mês pelo satélite Envisat da ESA mostra um duelo subsequente entre o novo iceberg e um outro iceberg quando este se liberta do Banco de Gelo Ross e procura mover-se para norte.

ESA1IUTHN6D

Baptizado como C-19 pelo Centro Nacional de Gelo dos Estados Unidos (US National Ice Centre) em Maryland, o novo iceberg mede 200 x 32 km e tem cerca de 200 m de espessura.

Como é visível nesta animação de imagens obtidas pelo Radar de Abertura Sintética Avançado do Envisat (Advanced Synthetic Aperture Radar - ASAR) entre 3 de Maio e 7 de Outubro deste ano, o C-19 é puxado juntamente com um iceberg mais antigo, o B–15a, permanecendo encalhado nas águas pouco profundas da Ilha de Ross. O C-19 raspa lateralmente o B-15a e, depois de uma tentativa falhada de mover o seu adversário firmemente ancorado, finalmente desvia-se para o mar aberto e eventualmente acabará por esvanecer-se em águas mais quentes.

Iceberg 'Calving'( 'Rotura' do Iceberg)

Parte de uma imagem obtida pelo ASAR do Envisat.

Diversos processos diferentes são importantes na formação dos icebergs, sendo o termo inglês “calve” o mais utilizado convencionalmente, de acordo com o Dr. David Vaughan, o principal investigador da divisão de ciências físicas do Observatório Britânico da Antártica (British Antarctic Survey), sediada em Cambridge, no Reino Unido.

“Eles podem formar-se como resultado da acção do vento e das ondas, ou simplesmente porque o banco de gelo se tornou demasiado grande para suportar uma parte de si mesma”, explicou Vaughan. “De vez em quando, um iceberg mais antigo colide com um bloco de gelo dando origem a um novo iceberg.”

A câmara ASAR esboça também claramente que o bloco C-19 não se está a mover para águas abertas. O redemoinho branco capturado na imagem representa gelo marítimo, oferecendo mais resistência ao movimento do iceberg, mas ventos e correntes oceânicas mostram-se finalmente demasiado difíceis de vencer. É também evidente na imagem de radar a diferença entre o gelo da Antártica que repousa na terra ou na água. O Banco de Gelo Ross, por exemplo, é visto como uma superfície macia. Do lado esquerdo das imagens, no entanto, a imagem radar mostra o terreno acidentado do gelo da Antártica repousando na terra.

Parte do ciclo de vida normal do gelo da Antartica

O Iceberg C-19 a 18 de Julho de 2002

Roturas em icebergs como estas ocorrem na Antártica todos os anos e fazem parte do ciclo normal de vida da camada de gelo. Os cientistas estão ansiosos por compreender se as massas de gelo perdidas nestes acontecimentos é equilibrada por novas quedas de gelo que se vão acumulando no continente. Qualquer desequilíbrio iria implicar uma alteração mundial no nível do mar.

Como o C-19 já estava a flutuar antes de sofrer a rotura, no entanto, ele não irá causar nenhum aumento global no nível do mar, de acordo com peritos em gelo britânicos. Além disso, como o Banco de gelo não mostrou recuos progressivos nos últimos anos, espera-se que os cientistas vejam o acontecimento como parte do ciclo normal de vida do Banco de Gelo Ross.

“No entanto, se acontecimentos semelhantes continuarem a acontecer poderemos começar a acreditar que é um resultado das mudanças climáticas” , advertiu. “No momento, não nos é ainda possível fazer esses juízos.”

O sensor ASAR do Envisat tem muitas vantagens chave em relação aos sensores ópticos: pode penetrar através das nuvens, o que é especialmente útil no estudo das regiões polares, e pode captar imagens à noite. O ASAR é o primeiro radar espacial a incorporar capacidades de polarização dual – o instrumento pode transmitir e receber sinais, quer por polarização horizontal ou vertical. Este modo de Polarização Alternada (Alternating Polarisation – AP) pode melhorar a capacidade num instrumento SAR de classificar os diversos tipos de terreno. O sensor pode também registar imagens a bordo da nave espacial e as imagens poderão ser disponibilizadas poucas horas depois da sua obtenção.

Copyright 2000 - 2014 © European Space Agency. All rights reserved.