Mars Express a caminho da maior aproximação a Phobos

A Phobos irá deflectir a Mars Express
1 Março 2010

A nave Mars Express, da ESA, irá passar bem perto da maior lua de Marte, Phobos, na Quarta-feira à noite. Passando a uma altitude de 67 Km, um seguimento de rádio preciso irá permitir aos investigadores espreitarem a lua misteriosa.

A Mars Express participará em 12 aproximações a Phobos. De cada vez, serão apontados diferentes instrumentos ao misterioso rochedo, adquirindo-se mais informação. A passagem mais próxima ocorrerá a 3 de Março, às 21:55 CET, uma hora a menos em Portugal.

Perto de Phobos, a nave será desviada da rota pelo campo gravítico da lua. O desvio será de apenas alguns milímetros por segundo e não afectará a missão de nenhuma forma. No entanto, para as equipas em terra, permitirá uma visão única do interior da lua e de como a sua massa está distribuída.

Como é que esta medição extremamente sensível será feita? Ironicamente, serão desligados todos os sinais da nave. A única coisa que as estações em terra irão escutar será o sinal de rádio, usado para transportar dados.

Phobos
Preparação para a maior aproximação a Phobos

Sem dados para transmitir, a única alteração ao sinal será causada pela mudança de frequência provocada por Phobos. As alterações serão da ordem de uma parte num trilião e são manifestações do efeito de Doppler – o mesmo efeito que faz mudar o som da sirene consoante esta se aproxima ou afasta.

Foram já realizados dois ensaios para esta operação, permitindo que o pessoal em terra e os controladores da nave treinem os seus papeis. Agora é o momento de levar à prática. Planeada inicialmente para uma aproximação a 50 Km de altitude, a passagem será agora a 67 quilómetros.

Durante uma manobra, na semana passada, a nave ficou numa trajectória que iria incluir uma ocultação por Phobos. Isto queria dizer que a Mars Express ficaria por trás de Phobos, vista da Terra. Como este facto iria prejudicar o seguimento da nave, decidiu-se fazer uma manobra para recolocar a passagem numa altitude superior.

O trabalho não estará terminado após esta aproximação. Outras sete se seguirão, antes de terminar a campanha. Além da experiência de seguimento, conhecido como MaRS, de Mars Radio Science, o radar MARSIS já andou a inspeccionar a superfície de Phobos com feixes de radar. «Já procedemos a um processamento de dados preliminar e a assinatura de Phobos é evidente em quase todos os dados», diz Andrea Cicchetti, do Instituto Italiano de Física do Espaço Interplanetário e membro da equipa MARSIS.

MARSIS completely deployed
O radar MARSIS já está a recolher dados

A camera, HRSC, sera usada na aproximação de 7 de Março, quando a Mars Express passar pelo face iluminada de Phobos a uma altitude de 107 Km e continuará a ser usada nas passagens subsequentes, obtendo imagens de alta resolução da superfície da lua. Os outros instrumentos também serão postos a funcionar.

ASPERA já está a estudar a forma como as partículas carregadas do Sol interagem com a superfície de Phobos. SPICAM, PFS, OMEGA estão a caracterizar a superfície da lua, com o PFS a tentar medir a temperatura de Phobos, nos lados iluminado e escurecido. O HRSC irá prestar particular atenção ao local proposto para a aterragem da missão russa Phobos-Grunt, que deverá ser lançada em 2011/12.

«Todas as experiências na Mars Express dizem algo sobre Phobos,» diz Olivier Witasse, cientista de projecto na missão da ESA. Isto é um bónus para a ciência, tendo em conta que nenhuma delas tinha sido concebida para o estudo de Phobos, apenas do planeta Marte. O resultados científicos destas passagens deveráo estar disponíveis nas semanas ou meses seguintes, quando as várias equipas tiverem tido tempo para analisar os dados.

More information

Updates as the flybys take place will be posted on the Mars Express blog.

Copyright 2000 - 2014 © European Space Agency. All rights reserved.