O caça cometas Rosetta entra em hibernação no espaço profundo

Imagens impressionantes: a primeira visão do cometa 67P, pela Rosetta, em Março de 2011
8 Junho 2011

Foi dado ontem o último comando, que colocou o caça cometas Rosetta em hibernação no espaço profundo. Com praticamente todos os sistemas desligados, a sonda estará agora adormecida durante 31 meses, até acordar em 2014, no seu cometa de destino.

O procedimento de ontem marca o fim de uma primeira fase muito bem sucedida na viagem de 10 anos da Rosetta e o início de um período escuro de hibernação durante o qual todos os instrumentos e quase todos os sistemas de controlo estarão em silêncio.

O sono profundo é necessário devido à enorme distância a que a nave está do Sol, levando a que só uma fraca radiação solar atinja os seus painéis solares, o que não chega para a produção de energia eléctrica necessária para alimentar os instrumentos da nave.

Trajectória curva ao longo de milhões de quilómetros

De agora a Janeiro de 2014, a Rosetta irá viajar sem assistência, em linhas curvas, por milhões de quilómetros de um frio e distante espaço, até ao seu encontro com o 67-P/Churyumov-Gerasimenko.

Apenas o computador e alguns aquecedores irão permanecer activos. Estes serão controlados automaticamente, para garantir que o satélite não congela à medida que a sua órbita o leva na sua viagem de ida e volta dos 660 milhões de quilómetros do Sol até aos 790 milhões de quilómetros, entre agora e 2014.

«Enviamos o comando através da Estação de 70 m da NASA, Deep Space Network, em Camberra, na Austrália, garantindo que o sinal era transmitido com energia suficiente para atingir a Rosetta, que está agora a 549 milhões de quilómetros da Terra,» disse o Director de Operações da ESA, Andrea Accomazzo.

«Iremos monitorizar através da estação de 35 m da ESA, em New Norcia, na Austrália, durante alguns dias para verificar a ocorrência de problemas, mas não esperamos receber qualquer sinal de rádio antes de 2014. Agora a Rosetta está por sua conta.»

Despertar em 2014

Alegria, depois de enviado o comando final

A 20 de Janeiro de 2014, um temporizador irá acordar a nave adormecida, que irá então enviar um sinal para a Terra, anunciando o seu despertar.

Os controladores da missão irão passar várias semanas a aquecer gradualmente e a reactivar a nave, preparando-a para o encontro com o cometa em Julho de 2014.

Os controladores da missão, no ESOC, Centro de Operações Espaciais, em Darmstadt, passaram grande parte do último ano a prepararem-se para a hibernação. Um modo especial de hibernação foi desenvolvido para a nave pelos engenheiros da EADS Astrium, o principal contratante industrial que construiu a Rosetta, para permitir que esta sobrevivesse à longa distância do sol, durante a sua viagem.

Todos os instrumentos científicos foram desligados no final de Março. Em Abril e Maio, com a Rosetta a orbitar a mais de 600 milhões de quilómetros do Sol, foram feitos testes aos painéis solares para confirmar que estava disponível suficiente energia para a hibernação de hoje.

Corte final enviado ontem

Às 08:00 UT (10:00 CEST) de ontem, a Rosetta começou automaticamente a girar, o que irá estabilizá-la enquanto o controle de posição normal está desligado, durante a hibernação, e às 12:58 UT (14:58 CEST) o comando final para desligar foi enviado. A confirmação do sucesso do início do processo de hibernação chegou às 14:13 UT (16:13 CEST) quando se perdeu o contacto via rádio, de acordo com o previsto.

«Com a passagem pelos asteróides Steins em 2008 e Lutetia em 2010, a Rosetta já conseguiu obter excelentes resultados científicos,» diz Paolo Ferri, responsável no ESOC pela Solar and Planetary Mission Operations Division.

«O processo de hibernação é um passo necessário para que seja atingido o objectivo final. Aguardamos agora por 2014, altura em que a Rosetta irá tornar-se na primeira nave a seguir a vida de um cometa, enquanto este se aproxima do Sol.»

Copyright 2000 - 2014 © European Space Agency. All rights reserved.