Para breve o fim das observações do Herschel

Herschel and Rosette Nebula
7 Março 2013

O observatório espacial da ESA, Herschel, deverá esgotar a sua reserva de hélio líquido nas próximas semanas, depois de passar mais de três emocionantes anos a estudar o Universo frio.

O Herschel foi lançado a 14 de maio de 2009 e, com um espelho de 3,5 metros de diâmetro, é o maior e o mais poderoso telescópio de infravermelhos que já voou no espaço. 

Pioneiro, é o primeiro telescópio a varrer a faixa de comprimento de onda desde o infravermelho longínquo até às ondas sub-milimétricas, tornando possível estudar regiões frias de gás e poeira do cosmos, até então invisíveis, e fornecer novas pistas sobre a origem e evolução das estrelas e galáxias.

Para conseguir fazer essas observações tão sensíveis na região do infravermelho longínquo, os detetores dos três instrumentos científicos – duas câmaras/espectrómetros de imagem e um espectrómetro de muito alta resolução – têm de ser arrefecidos a -271 ºC, próximo do zero absoluto. Os instrumentos encontram-se no topo de um tanque cheio de hélio líquido superfluido, no interior de uma garrafa térmica gigante chamada criostato.

Herschel’s cryostat vacuum vessel

O hélio superfluido evapora ao longo do tempo, esvaziando gradualmente o tanque e determinando assim o fim da vida científica do Herschel. No lançamento, o criostato estava cheio até a borda com mais de 2300 litros de hélio líquido, pesando 335 quilogramas, para 3,5 anos de operações no espaço. 

De facto, o Herschel fez descobertas extraordinárias numa ampla gama de tópicos, desde as galáxias starburst no Universo distante até aos recém-formados sistemas planetários que orbitam estrelas jovens próximas. 

No entanto, todas as coisas boas chegam ao fim e os engenheiros estão convencidos que por esta altura quase todo o hélio líquido já se evaporou. 

Não é possível prever o dia exato em que o hélio vai finalmente esgotar-se, mas a confirmação virá quando o Herschel começar o seu próximo período de comunicação de três horas diárias com estações terrestres. 

“Não nos surpreende que isso vá acontecer e quando o hélio se esgotar vamos ver as temperaturas de todos os instrumentos a subirem vários graus em apenas algumas horas”, diz Micha Schmidt, a gestora de operações da missão Herschel, no Centro de Operações Espaciais Europeu da ESA em Darmstadt, Alemanha.

Integrating the instruments

O programa científico foi cuidadosamente planeado para aproveitar ao máximo o tempo de vida da missão, com todas as observações de maior prioridade já concluídas. 

Além disso, o Herschel está a realizar muitas outras observações interessantes, escolhidas especificamente para explorar o hélio até à última gota. 

“Quando as observações chegarem ao fim, esperamos ter realizado mais de 22 mil horas de observações científicas, 10% a mais do que tínhamos inicialmente previsto. Por isso, a missão já superou as expectativas”, diz Leo Metcalfe, o gestor de ciência e operações da missão Herschel, no Centro Europeu de Astronomia Espacial da ESA em Madrid, Espanha.

Herschel

“Vamos terminar as observações em breve, mas os dados do Herschel irão proporcionar muitas novidades científicas emocionantes durante muitos anos”, diz Göran Pilbratt, cientista do projeto Herschel da ESA, no Instituto Europeu de Investigação Espacial e Tecnológica da ESA em Noordwijk, na Holanda. 

“Na verdade, ainda não atingimos o pico de produtividade científica e a tarefa agora é fazer com que o manancial de dados do Herschel seja tão valioso quanto possível agora e no futuro.” 

O Herschel irá continuar a comunicar com as estações terrestres durante mais algum tempo depois do hélio se ter esgotado, o que permitirá realizar uma série de ensaios técnicos. Finalmente, no início de maio, vai ser dirigido para a sua órbita de estacionamento estável de longo prazo à volta do Sol.

Notas para os editores

Será feito um anúncio a confirmar que o hélio líquido se esgotou. 

O Herschel transporta três instrumentos científicos: HIFI (instrumento eteródino para o infravermelho longínquo), um espectrómetro de alta resolução; PACS (câmara fotocondutora e espectrómetro); SPIRE (receptor de imagem espectral e fotométrica). A PACS e o Spire são as duas câmaras e espectrómetros de imagem que, em conjunto, cobrem a gama de comprimentos de onda entre os 55-672 micrometros. O HIFI abrange as duas bandas de comprimento de onda entre os 157-212 micrometros e 240-625 micrometros. Os três instrumentos são arrefecidos a -271 ºC dentro de um criostato cheio de hélio líquido superfluido. 

O Herschel é um observatório espacial da ESA com instrumentos científicos fornecidos por um consórcio europeu, com importante participação da NASA.

Para mais informações, por favor contacte:

Markus Bauer



ESA Science and Robotic Exploration Communication Officer



Tel: +31 71 565 6799



Mob: +31 61 594 3 954



Email: markus.bauer@esa.int

Micha Schmidt
Herschel Mission Operations Manager
European Space Operations Centre (ESOC), Darmstadt, Germany
Email: micha.schmidt@esa.int

Leo Metcalfe
Herschel Science Operations and Mission Manager
European Space Astronomy Centre (ESAC), Madrid, Spain
Email: leo.metcalfe@sciops.esa.int

Göran Pilbratt

ESA Herschel Project Scientist



European Space Research and Technology Centre (ESTEC), Noordwijk, the Netherlands
Tel: +31 71 565 3621



Email: gpilbratt@rssd.esa.int

Copyright 2000 - 2014 © European Space Agency. All rights reserved.