Rosetta Wake-up signal

Rosetta, a “bela adormecida” da ESA, acordou da hibernação no espaço profundo

21 Janeiro 2014

Foi um final de encantar para um capítulo difícil da história da missão da Rosetta no espaço quando esta noite a ESA ouviu a sua nave longínqua pela primeira vez em 31 meses.

A Rosetta está a perseguir o cometa 67P/Churyumov–Gerasimenko e será a primeira nave a ter um encontro com um cometa, a primeira a tentar uma descida na superfície de um cometa e a primeira a seguir um cometa ao redor do Sol. 

Desde que foi lançada em 2004, a Rosetta já passou três vezes pela Terra e uma por Marte para a ajudar no seu caminho para o encontro com o cometa 67P/Churyumov–Gerasimenko, e passou pelos asteróides Steins e Lutécia. 

A Rosetta, que é alimentada apenas a energia solar, foi adormecida no espaço profundo em Junho de 2011, quando navegava a uma distância de cerca de 800 milhões de quilómetros do calor abrasador do Sol, perto da órbita de Júpiter. 

Agora, que a órbita da Rosetta a trouxe de volta para uma distância de “apenas” 673 milhões de quilómetros do Sol, existe energia solar suficiente para “atestar” outra vez o depósito da nave.

Rosetta calls home
Rosetta calls home

Hoje, ainda a nove milhões de quilómetros do cometa, a nave foi acordada pelo seu despertador interno pré-programado. Depois de ter aquecido os seus instrumentos-chave de navegação, saído da sua rotação de estabilização e apontado a sua antena principal para a Terra, a Rosetta enviou um sinal para avisar os operadores terrestres de que tinha sobrevivido à distância mais longa da sua viagem. 

O sinal foi recebido quer pela estação de Goldstone, na Califórnia, quer pela de Camberra, ambas da NASA, às 18: 18 GMT (hora de Lisboa), 19:18 CET,  na primeira oportunidade que a nave espacial teve para comunicar com a Terra. O sinal foi imediatamente confirmado no centro de operações espaciais da ESA em Darmstadt e o bem sucedido despertar foi anunciado através da conta do  twitter @ESA_Rosetta, que twittou: "Hello World!" (Olá Mundo) 

“Temos o nosso caçador-de-cometas de volta”, diz Alvaro Giménez, director do programa Exploração Científica e Robótica da ESA. “Com a Rosetta, elevaremos a exploração de cometas a um novo nível. Esta missão incrível continua a nossa história de "primeiros" nos cometas, com base nos avanços tecnológicos e científicos conseguidos na nossa primeira missão no espaço profundo, a missão Giotto, que recolheu as primeiras imagens em close-up de um núcleo de cometa, na sua passagem pelo cometa Halley em 1986.”

How Rosetta wakes up from deep space hibernation

“Este despertador não tocava mais tarde e depois de um dia tenso estamos muito satisfeitos por a nossa nave espacial ter acordado e estar online com a Terra”, acrescenta Fred Jansen, gestor da ESA da missão Rosetta. 

Os cometas são considerados os blocos de construção primitivos do sistema solar e, provavelmente, ajudaram a “semear” a Terra com água, talvez até mesmo com os ingredientes para a vida. Mas muitas questões fundamentais sobre estes objetos enigmáticos permanecem e com a ajuda do estudo profundo, in situ, do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, a Rosetta tem como objetivo desvendar  os segredos destes objetos espaciais. 

“Todas as outras missões de cometas têm sido apenas sobrevoos, capturando momentos fugazes na vida desses baús gelados de tesouros”, diz Matt Taylor, cientista da ESA do projeto Rosetta. “Com a Rosetta, vamos acompanhar a evolução de um cometa numa base diária e por mais de um ano, o que nos dará uma perspetiva única sobre o comportamento de um cometa e, finalmente, irá ajudar-nos a decifrar o seu papel na formação do Sistema Solar.” 

Mas em primeiro lugar, as verificações essenciais sobre o estado de saúde da nave espacial têm de ser concluídas. Os onze instrumentos na sonda e dez na lander serão depois ligados e preparados para estudar o cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko. 

“Teremos alguns meses agitados enquanto se prepara a nave espacial e os seus instrumentos para os desafios operacionais exigidos por um longo estudo local de um cometa sobre o qual, até chegarmos lá, sabemos muito pouco”, diz Andrea Accomazzo, gestora da ESA de operações da Rosetta.

Rosetta and Philae at comet

Em Maio esperam-se as primeiras imagens do 67P/Churyumov-Gerasimenko capturadas pela  Rosetta, quando a nave ainda estiver a dois milhões de quilómetros da sua meta. No final de Maio, a sonda irá executar uma grande manobra para se dirigir para o seu encontro crítico, em Agosto, com o cometa. 

Após o encontro, a Rosetta irá iniciar dois meses de extenso mapeamento da superfície do cometa e irá também fazer medições importantes da gravidade do cometa, massa e forma, e avaliar o seu estado gasoso, atmosfera carregada de poeira, ou “coma”. A sonda também vai investigar o plasma local e analisar como ele interage com a atmosfera exterior do Sol, o vento solar. 

Usando esses dados, os cientistas vão escolher um local de pouso para os cem quilogramas da sonda Philae da missão. O desembarque está previsto para 11 de Novembro e será a primeira vez que se tenta uma aterragem num cometa. 

Na verdade, dada a gravidade quase insignificante dos quatro quilómetros de largura do núcleo do cometa, a lander Philae terá de usar parafusos de gelo e arpões para impedi-la de voltar para o espaço  depois de pousar. 

Entre a sua vasta gama de medições científicas, a Philae enviará uma descrição do ambiente que a rodeia, bem como fotos de muito alta resolução da superfície do cometa. A sonda irá também analisar localmente a composição dos gelos e material orgânico, incluindo a perfuração até 23 centímetros abaixo da superfície e enviar as amostras recolhidas para o seu laboratório a bordo para análise. 

O foco da missão passará, então, para a fase de “escolta”, durante a qual a Rosetta vai ficar ao lado do cometa, enquanto este se aproxima do Sol, e irá monitorizar as constantes mudanças na superfície do cometa, conforme esta vai aquecendo e os seus gelos se sublimam. 

O cometa alcançará sua distância mais próxima do Sol a 13 de agosto de 2015, a cerca de 185.000 mil quilómetros, aproximadamente entre as órbitas da Terra e de Marte. A Rosetta seguirá o cometa durante o resto de 2015, enquanto o cometa se dirige para longe do Sol e a sua atividade começa a diminuir. 

“Vamos enfrentar muitos desafios este ano, vamos explorar o território desconhecido do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko e tenho certeza que haverá muitas surpresas, mas hoje estamos apenas extremamente felizes por podermos estar a falar com a nossa nave espacial,” acrescenta Matt Taylor.

1964-2014: 50 anos servindo a Cooperação e Inovação Europeias

Em 1964, as Convenções da Organização Lançador Europeu de Desenvolvimento (ELDO) e da Organização Europeia de Investigação Espacial (ESRO) entraram em vigor. Um pouco mais de uma década depois, a Agência Espacial Europeia (ESA) foi criada, assumindo o lugar destas duas organizações. 

2014 será dedicado a abordar o futuro, à luz destes 50 anos de realizações únicas no espaço, que colocaram a ESA entre as principais agências espaciais do mundo. 

O lema “servir a cooperação e inovação europeia” sublinha o quanto a ESA, juntamente com as delegações nacionais a partir dos seus 20 Estados-Membros, a indústria espacial, a comunidade científica e, mais recentemente, a União Européia, têm feito a diferença para a Europa e para os seus cidadãos. 

Cinquenta anos de cooperação europeia no espaço é um aniversário para todo o sector espacial Europeu, que se pode orgulhar dos seus resultados e conquistas. É um testemunho de que, quando os Estados-Membros partilham os mesmos objetivos desafiadores e unem forças, a Europa está na vanguarda do progresso, da inovação e do crescimento, para o benefício de todos os seus cidadãos.

Àcerca da Agência Espacial Europeia

A Agência Espacial Europeia ( ESA) é a porta da Europa para o espaço. 

A ESA é uma organização intergovernamental, criada em 1975, com a missão de moldar o desenvolvimento da capacidade espacial da Europa e assegurar que o investimento no espaço proporciona benefícios para os cidadãos da Europa e do mundo. 

A ESA tem 20 Estados-Membros : Áustria, Bélgica , República Checa , Dinamarca, Finlândia , França, Alemanha , Grécia, Irlanda , Itália, Luxemburgo , Holanda, Noruega, Polónia, Portugal, Roménia, Espanha, Suécia, Suíça e Reino Unido, dos quais 18 são Estados-Membros da UE. 

A ESA tem acordos de cooperação com outros oito Estados-Membros da UE. O Canadá participa em alguns programas da ESA no âmbito de um acordo de cooperação. 

A ESA também está a trabalhar ativamente com a UE para a implementação dos programas Galileo e Copérnico. 

Ao coordenar os recursos financeiros e intelectuais de seus membros, a ESA pode realizar programas e atividades muito além do alcance de qualquer país europeu único. 

A ESA desenvolve os lançadores, as naves espaciais e as condições terrestres necessárias para manter a Europa na vanguarda das atividades espaciais globais. 

Hoje, a Agência lança satélites para observação da Terra, navegação, telecomunicações e astronomia, envia sondas para os confins do Sistema Solar e coopera na exploração humana do espaço. 

Saiba mais em www.esa.int

 

Para mais informações:
ESA Media Relations Office
Email: media@esa.int
Tel: +33 1 53 69 72 99

Copyright 2000 - 2014 © European Space Agency. All rights reserved.