Tecnologia espacial ajuda a fazer espaço, a reduzir a poluição e a poupar dinheiro

10 Agosto 2009

Actualmente, o transporte de mercadorias por camiões e contentores é um negócio altamente automatizado e optimizado. No entanto, até mesmo com o melhor planeamento possível, deixa-se muitas vezes espaço útil vazio. Dois inventores alemães tiveram uma ideia para usar os satélites de forma a melhorar a repartição da capacidade dos camiões.

Na Competição Europeia de Navegação por Satélite de 2008, apoiada pelo Programa de Transferência de Tecnologia da ESA, a alemã T-Systems/DHL criou um prémio para a melhor ideia de como tirar o melhor partido da capacidade de transporte. Procuravam uma solução para examinar o espaço de transporte dos veículos e identificar e localizar automaticamente a capacidade não usada, a qual seria, então, preenchida com ordens de transporte de último minuto.

LoVoTrack system
O LoVoTrack a testar por parte da DHL

O Dr. Mario Neugebauer e o Dr. Jürgen Anke da empresa alemã ‘ubigrate GmbH’ criaram uma solução inteligente para localizar os volumes de carga disponíveis em tempo real e ganharam o prémio.

“Muitas vezes, as empresas transportadoras desconhecem o volume de carga exacto e o espaço disponível nos camiões. Usam planos de acondicionamento para optimizar o uso dos camiões mas, na realidade, é difícil segui-los à risca e, muitas vezes, o espaço não é totalmente usado. É por isso que é importante conseguir acompanhar o volume de carga disponível em tempo real, que é o que fazemos com a nossa solução”, explicou Anke.

Um melhor serviço com a ajuda de satélites

Encontrar espaço vazio em contentores

O sistema 'Load-Volume Tracking' (LoVoTrack) ('Seguimento do Volume de Carga') usa sensores ultra-sónicos, a comunicação móvel e a navegação por satélite para obter informações sobre o estado de carga dos camiões e contentores.

“Instalámos sensores no tecto de cada contentor, que monitorizam continuamente o volume vazio disponível. Estas informações, juntamente com os dados precisos de navegação por satélite relativos ao local onde o camião se encontra, são transmitidas através de uma rede comum de telemóveis para um servidor central que segue toda a frota de camiões da empresa transportadora. Torna-se, assim, fácil atribuir novas embalagens aos camiões com volume disponível”, afirmouNeugebauer.

Anke and Neugebauer
Neugebauer e Anke

Na prática, este sistema permite gerir mais rapidamente novos pedidos para transportar mercadorias. Em vez de inserir o tempo de recolha e transporte num plano de acondicionamento, que é depois integrado num programa de entregas, quando muito no dia seguinte, o servidor central consegue identificar o camião mais próximo com espaço disponível em tempo real.

Neugebauer sublinhou que “a melhor solução de trabalho também tem o melhor impacto ecológico. Reduzindo o espaço vazio total dentro de um contentor, aumentamos a eficiência global de transporte e reduzimos, assim, a quantidade de poluição por objecto transportado, incluindo as emissões de dióxido de carbono.”

Camiões da empresa transportadora num mapa global

A vantagem da solução da ubigrate que a fez ganhar o prémio final foi "ter demonstrado uma abordagem inovadora para medir o espaço livre disponível e uma forma fácil e robusta de instalação do dispositivo". Além disso, "é particularmente escalável, pelo que pode ser usada em diferentes tipos de carroçarias e contentores", sublinhou o membro do júri da T-Systems/DHL Ralf Nejedl, Director do Programa Galileo da T-Systems Enterprise Services GmbH.

Na área da Navigation World do ICT de 2008 realizado na Feira de Munique, a ubigrate apresentou um primeiro protótipo da solução, que tem vindo a ser desenvolvido em colaboração com a T-Systems/DHL.

Copyright 2000 - 2014 © European Space Agency. All rights reserved.