Solar flare seen by SOHO

Tempestade solar atinge a Terra

25 Janeiro 2012

Uma grande erupção solar desencadeou a 23 de Janeiro uma ejeção de massa coronal, que viajou a 1400 km/s atingindo ontem a Terra. Uma erupção com tamanha energia pode avariar os satélites, daí que uma equipa da ESA e de outras organizações tenham monitorizado a tempestade de perto.

Uma ejeção de massa coronal (CME, na sigla em inglês) é uma enorme nuvem de plasma magnetizado, vindo da atmosfera do Sol – a corona – atirada para o espaço interplanetário. Em geral, acontecem em associação a erupções solares. Esta ejeção foi detetada pelos observatórios solares da ESA/NASA SOHO e da NASA Stereo.

As CMEs podem produzir tempestades geomagnéticas quando atingem a Terra, dois a seis dias depois de se desprenderem do Sol.

A erupção solar, às 03:59 GMT de segunda-feira, também libertou o maior feixe de protões desde 2005.

O sol fotografado pouco depois da erupção

É provável que cause tempestades geomagnéticas menores, sem grandes efeitos nas infraestruturas em terra, como as redes telefónicas, mas pode também desencadear auroras boreais em altas latitudes.

A erupção solar foi mais intensa que a média e a emissão de protões é a primeira forte dos últimos sete anos, mas não se esperam efeitos visíveis em terra.

Na página do satélite SOHO estão disponíveis imagens do Sol (link à direita). O satélite da ESA Proba-2 também tem estado a enviar imagens.

Mais informações

ESAC Communication office
Email:comunicacionesac@esa.int
Teléfono: 91 813 13 59

Copyright 2000 - 2014 © European Space Agency. All rights reserved.