Trinta anos de medições da hidratação do solo ao serviço do estudo das alterações climáticas

22 Junho 2012

A água retida pelo solo desempenha um papel importante no sistema climático. Os dados libertados pela ESA são o primeiro conjunto de dados de deteção remota da hidratação dos solos, num período que vai de 1978 a 2010 – antecedendo os dados fornecidos atualmente pela missão SMOS da ESA.

Loading...

Os dados são agora disponibilizados à comunidade científica para a análise e validação de modelos climáticos.

A quantidade total de água retida no solo perfaz cerca de 0.001% da quantidade de água encontrada na Terra.

Esta água é crucial para o crescimento das plantas, mas também está ligada ao tempo e ao clima. Isto é porque a hidratação do solo é uma variável essencial nas trocas de água e energia entre a terra e a atmosfera: os solos secos emitem pouca ou nenhuma água para a atmosfera.

O ciclo da água

Detetada recentemente, a tendência para a diminuição nas taxas globais de evaporação, por exemplo, podem ser explicadas diretamente pela fraca contribuição da hidratação dos solos.

Ainda não está bem compreendida a relação entre a hidratação do solo e o sistema climático. E até agora não têm estado disponíveis observações a longo prazo da hidratação dos solos terrestres. Isto significa que em muitas regiões do mundo é difícil avaliar os modelos climáticos e as relações de feedback entre a humidade e a seca nos solos com a temperatura.

Em 2009, a ESA lançou uma missão de satélite dedicada, o SMOS, que fornece medidas diretas e de grande qualidade da quantidade de água no solo à superfície.

SMOS in orbit
O SMOS em órbita

Uma vez que as aplicações principais do SMOS estão relacionadas com as previsões meteorológicas, a hidrologia e a gestão da água, a missão também fornece dados quase em tempo real para aplicações operacionais.

No entanto, para colmatar a atual falta de dados históricos de hidratação do solo para aplicações climáticas, a ESA também tem apoiado a criação de uma base de dados global, a partir de medições feitas no passado por uma série de satélites europeus e americanos. Estas atividades tiveram início no âmbito do projeto Water Cycle Multi-mission Observation Strategy, liderado pelo ITC (Holanda), dentro do programa da ESA de apoio à Ciência, Support To Science Element.

As atividades estão a ser refinadas, continuando no contexto da Iniciativa para as Alteracões Climáticas.

A ESA está a anunciar a divulgação dos primeiros dados de hidratação dos solos, no período de 1978 a 2010.

Hidratação do solo junho-agosto de 2010

Os 32 anos de dados permitem um cálculo robusto da climatologia, que por sua vez pode ser usada para calcular as anomalias. Por exemplo, são evidentes as zonas de seca, tais como o centro dos Estados Unidos, em 25, ou o Brasil e a África Oriental, no verão de 2007, o sul da China no inverno de 2009-10 e em 2010 na Rússia.

Também são evidentes as inundações, tais como aconteceu no Afeganistão em 1992, na África Oriental em 1998–99, em Marrocos, em 2008, e nas cheias de 2010–11, em Queensland, Austrália.

Os dados resultam da fusão de duas fontes de informação diferentes. A primeira é baseada em dados de micro-ondas processados pela Universidade Tecnológica de Viena e tem por base as observações na banda C por escaterometria dos satélites europeus ERS-1, ERS-2 e MetOp-A.

O outro conjunto de dados foi gproduzido pela Universidade de Vrije de Amsterdão, em colaboração com a NASA, baseada em observações passivas de micro-ondas pelas missões Nimbus-6, DMSP, TRMM e Aqua. A junção destes dois tipos de dados teve como objetivo tirar partido dos dois tipos de técnicas de micro-ondas, mas revelou-se difícil em virtude da degradação dos sensores, dos desvios na calibração e das alterações algorítmicas nos sistemas de processamento.

Os desafios também incluíram a garantia de consistência entre os dados de hidratação do solo dos diferentes instrumentos de captação ativa e passiva.

Já que é a primeira vez que é lançado um produto destes, foi necessária uma cooperação ativa das comunidades de deteção remota e modelação do clima, de forma a validar os dados de satélite para que se perceba melhor os resultados dos modelos.

Cientistas de todo o mundo podem agora fazer o download, usar, validar os dados e enviar feedback à equipa científica para futuras melhorias. Os utilizadores podem se registar para aceder aos dados em www.esa-soilmoisture-cci.org.

Index de hidratação do solo do SMOS

O SMOS irá garantir a continuidade dos dados.

Além disso, a missão SMAP, da NASA, tem lançamento previsto para Novembro de 2014.

Copyright 2000 - 2014 © European Space Agency. All rights reserved.