Visão perfeita: câmaras da Rosetta seguem asteróide

Imagem de Steins, obtida pela câmara OSIRIS, a 7 e 11 de Agosto de 08
20 Agosto 2008

A 14 de Agosto, a nave Rosetta efectuou, com sucesso, uma manobra de correcção de trajectória, com base em dados obtidos a partir do seguimento óptico de um asteróide, (2867) Steins. As imagens obtidas pelas câmaras a bordo da nave foram usadas para calcular a localização do asteróide e optimizar a sua trajectória, numa preparação para a manobra de aproximação do próximo mês.

A primeira grande manobra de correcção ocorreu enquanto a nave estava a 17 milhões de quilómetros do asteróide. Os propulsores da Rosetta trabalharam continuamente durante dois minutos, começando às 13: 42 CEST (hora de Verão na Europa Central), o que levou a um aumento na velocidade da nave de 12,8 cm/s, relativamente a Steins.

Apesar de pequena, esta alteração na velocidade será suficiente para corrigir em 250 km a manobra de aproximação de 5 de Setembro. Se esta correcção não tivesse sido feita, a nave estaria demasiado próxima do asteróide no ponto de distância mínima (para que a performance da nave não fique comprometida, a Rosetta nunca deve estar a menos de 800 km de Steins).

Imagens diárias

Rosetta asteroid fly-by
Passagem da Rosetta pela asteróide (imagem artística)

Desde 4 de Agosto que a câmara científica OSIRIS (Optical, Spectroscopic, and Infrared Remote Imaging System) e as câmaras de navegação a bordo estavam a recolher imagens, num total de 52. Com base nestas imagens, os especialistas em dinâmica de voo da ESA, no Centro Europeu de Operações (ESOC), calcularam a força propulsiva necessária à operação de 14 de Agosto. O seguimento óptico de Steins vai continuar, a um ritmo de duas vezes por semana, até 22 de Agosto e será intensificado, com imagens diárias entre 25 de Agosto e 4 de Setembro – altura em que o asteróide estará muito mais próximo.

«Quanto mais próximo estivermos de Steins, mais precisa será a informação sobre o seu posicionamento relativamente à Rosetta», disse Trevor Morley, responsável pela equipa de Dinâmica de Voo, no ESOC, em Darmstadt, Alemanha. «Graças às câmaras da Rosetta, será possível obter medições cada vez mais precisas e ajustar novamente, se necessário, a órbita da nave, para um encontro óptimo com o asteróide.»

Resultados Excepcionais

Asteroid Steins seen by Rosetta's navigation camera
Steins visto pela câmara de navegação A, a 4 de Agosto de 2008

De acordo com Andrea Accomazzo, director de operações da Rosetta, no ESOC, a campanha de navegação óptica está a produzir excelentes resultados, excedendo as expectativas. «Ao contrário do que esperávamos e apesar da distância, as duas câmaras de navegação da Rosetta eram capazes de «ver» o asteróide desde o início da campanha de seguimento,», contou Accomazzo.

«A qualidade excepcional da câmara OSIRIS, nomeadamente a sua resolução angular, forneceu dados tão precisos quanto o esperado, o que tornou muito rigorosos os actuais cálculos da trajectória.»

Esta é uma campanha histórica para a ESA. «É a primeira vez que se usam para navegação instrumentos ópticos a bordo de uma nave científica, por oposição às técnicas tradicionais baseadas em análise de sinais de rádio», disse Morley. «Os resultados excepcionais são de facto encorajadores e esperamos voltar a usar esta técnica no futuro, se e quando possível.»

A campanha de seguimento óptico da Rosetta continuará até à aproximação máxima, prevista para as 20:58, 5 Setembro 2008.

Para mais informações

Andrea Accomazzo, ESA Rosetta Spacecraft Operations Manager
email: Andrea.Accomazzo [@] esa.int

Gerhard Schwehm, ESA Rosetta Mission Manager
email: Gerhard.Schwehm [@] esa.int

Rita Schulz, ESA Rosetta Project Scientist
email: Rita.Schulz [@] esa.int

Copyright 2000 - 2014 © European Space Agency. All rights reserved.