Satélites Galileo mais próximos do lançamento após teste de vácuo

Os testes de vácuo térmico do Galileo
19 Junho 2012

Os próximos dois satélites de navegação Galileo acabam de suportar o duro vácuo e as temperaturas extremas do espaço antes do seu lançamento, previsto para 28 de setembro.

O quarto satélite completou 20 dias de testes de vácuo térmico na fábrica da Thales Alenia Space em Roma, Itália, no início de junho. O terceiro satélite fez os mesmos testes no mês anterior.

“Estes dois satélites são quase idênticos aos dois primeiros satélites Galileo, que foram lançados a 21 de outubro”, explicou Nigel Watts da ESA.

“Para os novos satélites não vamos precisar de fazer testes em larga escala porque a bateria de testes que realizámos em órbita para os dois primeiros mostraram-nos que o projeto está à altura das nossas expectativas.

Liftoff of flight VS01
Lançamento dos primeiros satélites Galileo

“Em vez disso, estamos a fazer testes de aceitação: verificação da obra, desempenho e disponibilidade para lançar estes novos satélites.”

Nos testes de vácuo térmico, cada satélite é colocado numa câmara de vácuo da qual se bombeia para fora todo o ar. As superfícies externas do satélite são então alternadamente aquecidas e arrefecidas enquanto o satélite é operado.

Sem ar em órbita a temperaturas moderadas, qualquer parte do satélite exposto à luz solar pode tornar-se extremamente quente, enquanto as partes na sombra ou de frente para o espaço profundo ficam muito frias. No entanto, os sistemas críticos devem ser mantidos dentro de uma certa gama de temperatura.

“Por exemplo, a superfície exterior do retro-refletor a laser do Galileo chegou a -110 °C durante a fase fria de testes”, disse Guido Barbagallo, engenheiro térmico do programa Galileo.

“Ao mesmo tempo, os amplificadores de navegação podem ser chegar a mais de +40 °C na fase quente.”

Como a maioria dos satélites, o Galileo usa uma variedade de métodos para manter a sua gama de temperatura estável, incluindo multicamadas de isolamento, aquecedores, tubos de arrefecimento baseados na evaporação de amónia para deslocar o calor, e radiadores para despejar resíduos de calor para o espaço.

Galileo satellites
Os satélites Galileo em órbita

O relógio atómico maser de hidrogénio passivo do Galileo, localizado no coração do seu sistema de navegação, tem uma precisão de um segundo em três milhões de anos.

Mas esta extrema precisão requer condições térmicas muito estáveis. A temperatura de funcionamento deste relógio tem de ser regulada no intervalo de um único grau, embora na prática apenas se consiga atingir um décimo dessa exatidão.

“O maser de hidrogénio passivo é montado sobre uma placa de alumínio com três milímetros de espessura para ajudar a manter uma temperatura uniforme, sendo os resíduos de calor irradiados para o espaço a partir da superfície externa do satélite”, adicionou Guido.

O relógio atómico e a placa de suporte estão embrulhados numa multicamada de isolamento e ligados ao painel de cima do satélite, que está permanentemente fora do Sol.

Copyright 2000 - 2014 © European Space Agency. All rights reserved.